Estrabismo: Um olhar criterioso sobre os sintomas, causas e tratamentos

Estrabismo: Um olhar criterioso sobre os sintomas, causas e tratamentos

O estrabismo é uma realidade em Portugal, passível de superar se o diagnóstico precoce estiver no pódio das prioridades do paciente e da família!

Enquanto clínica oftalmológica acreditamos na comunicação como ferramenta imprescindível para gerar mais consciencialização.

E, é por sabemos que por vezes as suas dúvidas não ficam totalmente esclarecidas na consulta, que hoje terá a oportunidade de mergulhar a fundo nos sintomas, causas e tratamento do estrabismo.

Vamos em frente?

Estrabismo em adultos: Como é realizado o diagnóstico?

É muito provável que conheça alguém com olhos estrábicos (não alinhados) e que enfrenta sérios complexos com a sua autoestima! Esta condição interfere com o contacto visual, sendo muitas vezes o motivo de constrangimentos e, até do próprio isolamento social.

O estrabismo é uma perturbação visual que compromete o paralelismo entre os dois olhos, tendo por isso direito a várias classificações.

Olhos desalinhados é outra definição fidedigna, uma vez que apontam para diversas direções.

A raiz do problema está nos músculos extraoculares, que incapacitam o posicionamento correto dos olhos para a fixação da visão simultânea de um objeto.

Como efeito, a visão binocular é ameaçada induzindo assim a um baixo desenvolvimento visual do olho desviado.

No entanto, o estrabismo também pode estar associado à baixa qualidade de visão decorrente da graduação indevida dos óculos ou à perda da transparência dos meios óticos, como por exemplo na catarata congénita.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, esta doença ocular tem uma forte incidência em crianças (4%) e cerca de 1% em adultos.

O estrabismo tanto pode ser originado na infância, como ser induzido por um acidente ou doença na vida adulta, como em casos detetados de Síndrome de Down, tumores cranianos, acidentes vasculares cerebrais, paralisia cerebral ou dos nervos cranianos.

Estas doenças inviabilizam o bom funcionamento do cérebro, sendo consideradas como potenciais causas de estrabismo.

A melhor forma de travar o estrabismo infantil passa pela realização de exames visuais regulares, que permitem acompanhar, detetar e corrigir atempadamente qualquer anomalia visual e, ainda, diagnosticar patologias oculares numa fase bastante precoce.

O ideal é a criança ser seguida na gestação e desde os primeiros meses de vida, para zelarmos por um sistema visual saudável, essencial ao seu bem-estar, processo de aprendizagem e crescimento.

Por norma, quando somos confrontados com um problema de saúde, ficamos impacientes para saber o que poderá ter contribuído para o seu aparecimento.

Está na altura de conhecer as potenciais causas de estrabismo!

Olho estrábico: Quais são as causas?

Em pacientes com olhos não alinhados ou tortos, o desvio ocular pode ser leve ou acentuado. Onde queremos chegar com isto?

No que confere à direção do olhar, estamos perante um estrabismo convergente (esotropia) sempre que um ou ambos os olhos se dirigem para dentro, apontando na direção do nariz.

Lidamos com um estrabismo divergente (exotropia) quando um ou os dois olhos se movem para fora e, com estrabismo vertical quando o olho se desvia para cima ou para baixo.

Se estes desvios persistirem manifestando-se sempre no mesmo olho classificamos como monoculares. Se pelo contrário, ocorrerem num olho e depois no outro olho trata-se de um estrabismo alternante.

O paralelismo dos olhos ainda se enquadra em estrabismo concomitante se o desvio for constante em qualquer posição do olhar.

Estrabismo divergente intermitente se os olhos estão quase sempre alinhados, e sofrem desvios esporádicos.

Em casos menos evidentes como no estrabismo latente, também conhecido como foria, a perda de alinhamento é perceptível e despertado com testes oculares mais específicos.

Não obstante, esta doença pode ainda surgir ao nascimento associado a problemas anatómicos dos músculos oculares e, nesse caso falamos de estrabismo congénito.

Em alternativa, entre os 2 e 5 anos em sequência dos constantes esforços para focar imagens, intimamente associado a hipermetropia ou estrabismo acomodativo.

Quando existem fortes suspeitas de história familiar, mesmo não sendo determinante em todos os casos, o estrabismo hereditário é uma possibilidade a considerar.

Tudo isto porque os doze músculos se recusam a trabalhar de forma coordenada!

A resposta está sempre no cérebro, que tem a seu cargo o envio de impulsos nervosos que asseguram a tal coordenação e, aquisição de imagens nítidas por cada olho.

Para estes pacientes sintomas como visão dupla, cansaço visual e dor de cabeça estão no horizonte. Mas, não só!

Há indivíduos que revelam a necessidade de fechar um olho para ver melhor, os dois em simultâneo e mesmo torcicolos, ao inclinarem a cabeça com a intenção de unir as imagens.

Ainda assim, nem tudo são más notícias! Para admiração e satisfação de muitos é mesmo verídico, o estrabismo tem cura!

As respostas quanto ao tratamento de estrabismo aguardam-no no próximo tópico!

Estrabismo tratamento é possível e está perto de si!

Afinal de contas, há esperança para quem sofre de estrabismo mesmo na fase adulta, tanto que o tratamento pode passar por óculos, prismas, cirurgia e, até com recurso a injeção de toxina botulínica (ou Botox) diretamente nos músculos extraoculares.

Na Clinsborges só avançamos para cirurgia nos casos em que o desvio persista mesmo após a causa do problema ser corrigida.

Nas crianças, a correção do estrabismo assenta na aplicação de colírios, óculos, exercícios ortóticos para fortalecer os músculos, nunca descurando a oclusão do olho com melhor visão para estimular o outro com deficiência, se diagnosticada ambliopia.

A eficácia do tratamento está ligada a outro fator crucial: o diagnóstico precoce!

Se o estrabismo não for tratado, mais tarde a autoconfiança e inserção da pessoa estrábica na sua área profissional pode revelar-se um verdadeiro desafio.

Agora sim! Com estas informações em mãos, está capacitado/a para começar à procura de médicos especializados em oftalmologia pediátrica e estrabismo.

A Clinsborges é uma clínica especializada no diagnóstico e tratamento de doenças oculares sediada no coração do Porto e, referência a atender esta necessidade.

Da nossa parte, poderá contar com a dedicação e entrega de profissionais que irão fazer da sua visão e qualidade de vida a sua prioridade.

Marque já uma consulta de oftalmologia, através dos contactos disponibilizados.