Glaucoma o que é, causas, sintomas e tratamento

Glaucoma o que é, causas, sintomas e tratamento

A visão permite o acesso às informações sobre o mundo que nos rodeia.

Mas, podemos ser alvo de doenças dos olhos e da visão em qualquer idade.

Por isso, a prevenção ao longo da vida é vital para os olhos estarem em forma!

O glaucoma é uma doença silenciosa e merece a nossa atenção!

 

Neste artigo, partilhamos algum do nosso conhecimento sobre a doença, os sintomas que não podem passar despercebidos e, os tratamentos que estão ao seu alcance.

 

O glaucoma é uma ameaça real atual.

Os piores cenários acontecem a quem não dá importância aos sinais.

Mais concretamente, às pessoas que não têm por hábito contactar regularmente o seu médico dos olhos ou oftalmologista.

O ideal é mudar já a mentalidade relativamente às consultas de oftalmologia.

Nestas consultas, o oftalmologista identifica possíveis problemas de visão.

Através dos exames oftalmológicos reconhecemos os primeiros indícios de perda de visão.

Estes exames, se forem regulares, podem impedir a evolução de doenças como o glaucoma.

 

Infelizmente, só nas consultas é que uma parte dos pacientes questiona o que é glaucoma.

A doença progride lentamente e passa despercebida. É um Inimigo Silencioso”.

Saiba como o glaucoma evolui e perceba os fatores de risco associados!

Vamos começar?

 

Glaucoma o que é?

O glaucoma representa o grupo de doenças do olho que danifica o nervo ótico.

Este nervo transmite a informação do olho ao cérebro, mas se existir uma lesão origina perda de visão.

 

Qualquer pessoa poder ser diagnosticada com glaucoma, contudo existem determinados grupos que correm maiores riscos.

Sabe quais são os fatores de risco?

  • Pressão ocular elevada;
  • Idade superior a 35 anos (o risco aumenta com a idade);
  • Antecedentes familiares com glaucoma;
  • Miopia elevada;
  • Diabetes, hipertensão arterial e doenças cardíacas associadas;
  • Tumores, traumatismo ocular, descolamento da retina e inflamações;
  • Utilização contínua de corticóide;
  • Etnia (africana ou asiática) é mais vulnerável;

 

Em alguns casos, diagnosticamos o olho com glaucoma no exame ocular de rotina.

Descubra agora como é realizado o diagnóstico do glaucoma!

 

Como é realizado o diagnóstico do glaucoma?

Nos pacientes de risco é prioritário através exame oftalmológico completo.

São realizados diversos exames de rotina numa consulte de oftalmologia, tais como:

  • Tonometria – consiste em medir a pressão intraocular;
  • Fundoscopia – análise do nervo óptico;
  • Gonioscopia – avaliação do ângulo, que pode ser fechado ou aberto.

Quando existe suspeita de algum dos fatores de risco na história clínica do paciente é solicitado:

  • Perimetria Computorizada – análise dos campos visuais (visão periférica e central);
  • OCT – consiste em observar e quantificar as fibras nervosas do nervo óptico;
  • Paquimetria – medição da espessura da córnea.

Assustados com os exames e, em particular, com as consequências, muitos pacientes questionam as causas desta doença.

 

Glaucoma causas?

  • Causa não conhecida: Glaucoma primário;
  • Causa conhecida: Glaucoma secundário;

Acreditamos que a doença surge do desequilíbrio entre a produção e a drenagem do líquido do olho (o humor aquoso) que causa o aumento da pressão intraocular.

Logo após, verificamos o esse aumento da tensão ou pressão intraocular provoca a morte das células nervosas.

Quando chegamos a esta fase é impossível recuperarmos a visão do doente.

 

Esta doença ocular pode aparecer tanto em adulto como em criança.

 

Quais os tipos de glaucoma?

glaucoma congénito

Verificamos casos de sucesso quando o oftalmologista pediátrico intervém na fase gestacional. Alguns recém-nascidos já nascem com a doença e, se não for diagnosticado precocemente, pode conduzir à cegueira irreversível.

Ocorre devido ao aumento da pressão intraocular já período gestacional. Os sinais mais comuns são sensibilidade à luz e olhos lacrimejantes, pelo excesso de lágrimas.

glaucoma neovascular

Esta doença evolui muito rapidamente e, está associada à elevação secundária da pressão intraocular.

Acreditamos que a diabetes é a origem principal deste problema. Ao provocarem lesões na retina (retinopatia diabética), se não forem tratados, originam o glaucoma neovascular.

glaucoma agudo

É uma verdadeira urgência ou emergência oftalmológica quando a pressão intraocular aumenta de forma súbita.

Os sinais incluem olhos vermelhos, dor ocular, náuseas e hipovisão intensas. Se não intervimos de imediato é impossível evitar o estado irreversível de cegueira.

O glaucoma primário reparte-se em dois:

glaucoma de ângulo estreito/fechado

Os canais de drenagem nos olhos ficam bloqueados dado o ângulo entre a íris e a córnea se tornar muito estreito.

O glaucoma de ângulo fechado agudo pode surgir de forma inesperada. No entanto, se for evoluindo lentamente trata-se de um glaucoma de ângulo fechado crônico.

glaucoma de ângulo aberto

O tipo de glaucoma mais frequente.

Neste tipo de glaucoma o ângulo entre a íris e a córnea é aberto porque os canais de drenagem dos olhos não estão visivelmente bloqueados. Desta forma, a drenagem é insuficiente e lenta, e a pressão ocular aumenta gradualmente.

 

Como se manifesta o glaucoma?

O glaucoma crônico desenvolve-se lentamente e é assintomático. Neste caso, os efeitos só começam a manifestar-se quando a doença já está desenvolvida.

Já o glaucoma agudo manifesta mais rapidamente os efeitos e, por isso, exige maior vigilância e rapidez de atuação.

Existem sintomas que poderá identificar antes de procurar ajuda!

Os principais sintomas iniciais do glaucoma agudo são:

  • dor nos olhos e na cabeça;
  • diminuição do campo visual ou visão enevoada;
  • elevada sensibilidade à luz;
  • halos corados à volta das luzes e dos objetos.

 

O Glaucoma tem cura?

É nesta fase que conseguimos tranquilizar os pacientes que nos procuram.

O primeiro objetivo do tratamento é reduzir o valor da pressão ocular, através de gotas (colírios).

Se não conseguirmos controlar através de colírios ou laser, o próximo passo é a cirurgia glaucoma.

Com a técnica Trabeculectomia criamos uma via de drenagem do humor aquoso, com formação de uma bolha subconjuntival.

Em muitos casos, conseguimos estabilizar a tensão ocular, mas a vigilância periódica dos efeitos é crucial.

O tratamento do glaucoma é fundamental para evitar condições oftalmológicas irreversíveis, como a cegueira.

O tratamento realizado na nossa clínica já permitiu controlar a progressão do glaucoma em muitos pacientes.

 

Se já está a ponderar realizar uma consulta ou efetuar um tratamento de urgência de oftalmologia no Porto, podemos ajudá-lo!

Para solucionar urgências oftalmológicas, de risco iminente como o glaucoma, é necessária uma intervenção imediata.

Se estiver interessado, marque na nossa Clínica Oftalmológica Clinsborges a sua consulta oftalmológica, através dos contactos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.