Alergia nos olhos diagnóstico e tratamentos

Alergia nos olhos diagnóstico e tratamentos

A maioria das pessoas já apresentou alergia nos olhos, uma reação alérgica que embora não seja contagiosa, causa mal estar e desconforto constante e incapacitante!

O olho é o órgão mais sensível do corpo humano e, facilmente atingido por todo o tipo de alergias.

Ao abrirmos os olhos a membrana fina que recobre a superfície do olho, a que damos o nome de conjuntiva, fica bastante vulnerável ao meio externo.

Esfregar os olhos parece um ato inofensivo mas capaz de transmitir aos seus olhos, através das mãos, inúmeras bactérias e outros microrganismos.

É muito comum que a ida ao oftalmologista seja motivada por sintomas como olhos vermelhos, comichão nos olhos e, dores nos olhos.

Quando as consultas são adiadas e, os sintomas ignorados, estas alergias poderem evoluir para doenças oftalmológicas graves e eventualmente irreversíveis.

Os aumentos dos casos de conjuntivite alérgica representam hoje uma ameaça global à saúde ocular!

Se tem asma, rinite alérgica ou dermatite atópica está mais propenso a desenvolver este tipo de alergia.

O que não significa que, no caso de não ser portador de outras alergias, não corra sérios riscos!

Os pacientes com alergia ocular têm uma grande probabilidade de desenvolver doenças oculares tais como o ceratocone ou a catarata.

Apesar deste quadro alarmante, ainda existem boas notícias!

Vai a tempo de reverter a conjuntivite alérgica, se começar já a eliminar comportamentos de risco.

A automedicação é a pior asneira que pode cometer, por poder agravar ainda mais a reação alérgica.

É fundamental deixar de acreditar em palpites online!

Como clínica oftalmológica temos a preocupação de alertar para os verdadeiros cuidados que deve seguir, tal como os respetivos medicamentos indicados para a sua resolução.

Tem uma alergia nos olhos e, desconhece o que poderá ser a causa?

Estas e muitas outras dúvidas serão esclarecidas, boa leitura!

 

O que pode causar uma alergia nos olhos?

Se lacrimeja, tem olhos vermelhos e uma sensação de ardência e comichão constante não restam dúvidas: está a desenvolver uma reação alérgica!

Muitas pessoas também manifestam inchaço nas pálpebras, hipersensibilidade à luz e sensação de corpo estranho.

Nestas condições, está a produzir anticorpos chamados imunoglobulinas, alergénios que promovem a libertação de mediadores inflamatórios.

Isto pela exposição a substâncias que vagueiam no ar, como o pólen, ácaros, e, até o pelo de animais de estimação!

O seu sistema imunológico está a tentar, com todas as forças, defender-se destes vilões.

Os sintomas variam de pessoa para pessoa, podendo ser ligeiros, sazonais ou muito intensos, durante todo o ano.

O pólen é capaz de gerar conjuntivite alérgica sazonal, já os ácaros têm uma grande incidência ao longo de todo o ano.

A conjuntivite atópica surge associada a uma dermatite atópica (eczema), afeta maioritariamente pessoas com mais de 40 anos e, relacionados com o olho seco ou contacto com produtos, nomeadamente de estética.

Para além do mais, poderá não escapar de uma conjuntivite primaveril ocasionalmente, sendo a primavera e verão autênticos pesadelos!

Outra condição comum é a gigantopapilar, um nome assustador provocado na maioria pela má higienização ou ultilização das lentes de contacto.

As lentes de contacto, nestas circunstâncias, irritam a córnea.

Blefarite é outro nome invulgar para uma doença que é mais comum do que imagina!

Já foi confundida com um terçol e conjuntivite e, merece a nossa atenção!

É verdade que é uma inflamação, não contagiosa, que afeta a pálpebra.

Também é verdade que pode ser causada por quadros de infeção, reação alérgica e, doenças cutâneas.

O diagnóstico poderá evidenciar um dos três tipos mais comuns: blefarite seborreica, blefarite infeciosa ou blefarite alérgica.

Os sintomas são idênticos à conjuntivite alérgica!

Tem maior incidência em pessoas com pele oleosa e, que sofrem de seborreia.

A seborreia é nada mais do que a produção excessiva de gordura, de uma glândula presente na pálpebra, que favorece o crescimento de bactérias.

E nada de esperar que surjam sintomas!

 

Pode sim evitar estes diagnósticos, se estiver familiarizado com certos cuidados de prevenção!

 

Que cuidados devo ter se apresentar alergia nos olhos?

Existem outros alérgenos a eliminar, como tintas, produtos de higiene e limpeza, e certos alimentos ou medicamentos.

O médico dos olhos ou oftalmologista e o alergologista são cruciais para identificar as condições, medicamentos e os alimentos responsáveis pelas alergias.

 

Confira agora 7 dicas essenciais para se prevenir:

  1. Arejar e mudar regularmente os lençóis da cama;
  2. Certifique-se que os lençóis são 100% algodão (o poliéster pode criar alergias na face);
  3. Limpezas pelo menos semanais e casa arejada evitam a acumulação de ácaros;
  4. Não permaneça em locais híper-aquecidos ou com ar condicionado;
  5. Evite a exposição ao vento e ambientes com fumo;
  6. Não esfregue os olhos;
  7. Use aspiradores e panos húmidos para evitar espalhar poeira.

De certeza que também já se interrogou sobre o diagnóstico destas alergias.

Descubra se este tempo todo esteve atento!

 

Como é realizado o diagnóstico da alergia nos olhos?

Para confirmar a presença da conjuntivite alérgica ou da blefarite, analisamos os sintomas através de um exame clínico.

Começamos por detetar se os vasos sanguíneos estão dilatados na superfície dos olhos.

Quando os sintomas são persistentes, solicitamos exames para averiguar a causa da alergia com mais precisão.

Respire fundo, porque nada está perdido!

É altura de conhecer os tratamentos possíveis!

 

Quais são os tratamentos para a alergia nos olhos?

Existem medicamentos que pode aplicar em casa, sempre que forem prescritos.

Os colírios lubrificantes e o soro fisiológico são grandes aliados contra as sensações de olho seco, comichão e ardência ocular.

A função dos colírios anti-histamínicos é travar a liberação da histamina, substância que lhe causou comichão!

Os colírios de dupla ação são eficazes ao ponto de conseguirem interromper a alergia.

Já medicamentos como corticóides atuam rapidamente nos casos mais graves de alergia mas devem ser utilizados com precaução.

As lágrimas artificiais são mais indicadas para os casos de conjuntivite alérgica e, combatem a secura ocular.

Em última instância (raramente), injetamos vacinas antialérgicas para dessensibilizar o organismo às alergias e produzir a imunidade que lhe faz falta!

Em qualquer idade está sujeito a todo o tipo de alergia ocular!

Quando foi a última vez que marcou uma consulta de oftalmologia?

Pode evitar todos estes transtornos, se for examinado a tempo pelos nossos especialistas.

A nossa equipa é composta por profissionais altamente qualificados em diversas áreas, garantindo uma abordagem mais completa no seu tratamento!

Marque já a sua consulta na Clinsborges, através do contacto abaixo!