Patalogias Especiais

Catarata

O cristalino é uma lente localizada no interior do globo ocular (olho), imediatamente atrás da pupila. Em condições normais é completamente transparente o que permite a passagem dos raios luminosos e a sua focagem na retina, obtendo-se dessa forma uma imagem nítida. Quando o cristalino se opacifica o suficiente para provocar a diminuição da acuidade visual, estamos na presença de uma catarata.

É possível, através da realização da cirurgia – único tratamento eficaz – corrigir astigmatismos superiores a 2 dioptrias, com o recurso a lentes intra-oculares tóricas. Também já se conseguem obter boas acuidades visuais, ao longe, a meia distância e ao perto, recorrendo às lentes intra-oculares multifocais.

Atualmente a cirurgia da catarata não visa apenas restituir a visão, devendo ser encarada como um verdadeiro procedimento refrativo, já que é possível que o doente operado fique a ver bem e com uma qualidade óptica excelente.

Existem diversas causas que podem originar uma catarata, a principal das quais está relacionada com a idade, a denominada catarata senil. Considera-se que a maioria das pessoas com mais de 65 anos apresentam algum grau de catarata. Outras causas menos frequentes de cataratas são por exemplo os traumatismos, medicamentos tais como os corticóides, doenças como a diabetes, congénitas, etc.

São vários e dependem do grau da opacidade. Frequentemente a visão fica esborratada, referindo o doente que tem a sensação que está a ver através de nevoeiro, seguindo-se uma perda progressiva da acuidade visual que pode ser rápida (alguns meses) ou evoluir lentamente ao longo de alguns anos. Outros sintomas menos frequentes são o deslumbramento, alteração da visão cromática, má visão noturna, necessidade de mudar frequentemente de óculos ou visão dupla apenas com um olho aberto.

O tratamento é sempre cirúrgico, não existindo qualquer tratamento médico que seja eficaz para impedir o desenvolvimento ou a cura das cataratas.

As cataratas incipientes não justificam a realização de cirurgia. Apenas quando a perda da visão é importante ou surjam sintomas que interfiram significativamente com a atividade habitual, está formalmente indicada a cirurgia. A técnica utilizada atualmente é a Facoemulsificação, a mais moderna, e que permite uma rápida recuperação visual. Consiste na realização de uma pequena incisão e, mediante o uso de um instrumento especial denominado facoemulsificador que emite ultrassons através de uma ponta de titânio, dissolver e aspirar a catarata. Posteriormente introduz-se uma lente intra-ocular sem ter que se ampliar a incisão ou induzir astigmatismos. Hoje, é possível simultaneamente à realização da cirurgia de catarata, corrigir astigmatismos superiores a 1D, com o recurso a lentes intra-oculares tóricas.

Também já conseguem obter boas acuidades visuais ao longe e ao perto, através da utilização das lentes intra-oculares multifocais. Uma vez implantada a lente considera-se terminada a cirurgia sem ser necessária sutura, nem mesmo na maioria dos casos a necessidade de internamento, podendo o doente retomar a sua atividade normal ao fim de alguns dias.

0% Qualidade
0 Pacientes por ano
0 Equipa
0 Anos de experiência
0 Pacientes satisfeitos

Parcerias & Acordos