Adesão ao tratamento: Fator decisivo para doentes com Ceratocone

Adesão ao tratamento: Fator decisivo para doentes com Ceratocone

Sabia que o Ceratocone afeta aproximadamente 1 em cada 2000 pessoas e surge maioritariamente na puberdade, com 75% dos casos antes dos 25 anos?

Trata-se de uma doença que evolui de forma silenciosa e clinicamente subtil. Se recentemente foi-lhe diagnosticado ceratocone ou tem fortes suspeitas da presença da doença, chegou ao artigo certo!

O que a grande maioria das pessoas não sonha é que alguns problemas oculares começam por ser assintomáticos e, por sinal, este deveria ser um dos motivos mais fortes para a realização de exames oftalmológicos regulares.

Quando é a sua saúde ocular que está em risco, a procura de informações é o melhor caminho para a prevenção. Com um acompanhamento oftalmológico adequado é possível detetar e tratar atempadamente inúmeras doenças oculares tais como o Ceratocone.

O que será que diferencia um olho normal e olho com ceratocone? Como funciona a visão do doente com ceratocone?

Hoje terá a oportunidade de mergulhar a fundo no diagnóstico, potenciais causas e tratamentos para o ceratocone. Vamos começar?

Em que consiste o ceratocone ocular?

O ceratocone, também conhecido por ceratocone, caracteriza-se pela distrofia contínua e progressiva da córnea, uma camada fina e transparente que recobre toda a frente ou superfície anterior do globo ocular.

O ceratocone ou doença do cone nos olhos é uma doença não inflamatória, através da qual as mudanças estruturais da córnea a tornam mais fina e com um formato mais cónico e saliente (ectasia) do que a sua curvatura gradual normal.

Esta ectasia corneana geralmente bilateral e assimétrica, também pode deixar um dos olhos mais afetados, além de induzir um astigmatismo mais ou menos irregular.

Já os sintomas de ceratocone variam conforme a fase de progressão da doença. Se no início não se manifestam, em fases avançadas dão lugar a uma distorção significativa da visão, lado a lado com uma progressiva e profunda perda visual.

A gravidade do ceratocone está geralmente associada à precocidade do seu aparecimento e, apesar de envolver ambos os sexos, há uma maior incidência em alguns grupos étnicos do que outros.

As pessoas com ceratocone acabam por recorrer ao oftalmologista por volta dos vinte anos, com fortes queixas de visão enevoada e distorcida, secundária a miopia e/ou astigmatismos altos.

A somar a estes sintomas, apresentam ainda uma maior sensibilidade à luz. Apesar da maioria dos casos de ceratocone ser diagnosticado em pacientes adolescentes, o seu estado mais grave prevalece na segunda ou terceira década da vida.

Vejamos agora com mais detalhe a potencial raiz do problema!

Quais são as potenciais causas de ceratocone?

Embora a etiologia da patologia seja ainda desconhecida, existe um forte vínculo genético (10% dos casos têm antecedentes familiares), a associação com o síndrome de Down (prevalência 10 a 300 vezes superior) e doenças do colagénio (síndromes de Marfan e Elhers-Danlos).

No entanto, os olhos com ceratocone também poderão estar associados à atopia, conjuntivite vernal e ao hábito, aparentemente inofensivo mas muito frequente, de coçar do olho (“eye rubbing”).

Dito isto, está na altura de avançarmos para o diagnóstico da doença. Descubra tudo no próximo tópico!

Como se processa o diagnóstico do Ceratocone?

O diagnóstico ocorre tanto por queixas de dificuldade visual, em idade característica, como por alterações frequentes da graduação num curto espaço de tempo.

Graças aos avanços tecnológicos relacionadas com a Cirurgia Refrativa, nos últimos 15 anos o diagnóstico e tratamento do ceratocone deteve elevadas taxas de sucesso e sofreu uma enorme evolução.

No que confere aos exames complementares de diagnóstico, a tomografia, biomecânica de córnea e o laser de fentosegundo foram e são essenciais para detetar, acompanhar a evolução da doença e orientar com êxito a sua terapêutica.

Ceratocone tem cura ou tratamento?

Se há cerca de 30-40 anos atrás um médico oftalmologista referisse a possibilidade da colocação na córnea de implantes de segmentos de anéis intra-estromais (anéis de Ferrara ou os Intacs) para o tratamento de ceratocone não acreditava!

Atualmente, a terapêutica do Ceratocone vai muito além do uso de óculos, lentes de contacto para ceratocone e, nos casos mais complexos, transplante penetrante da córnea.

As armas terapêuticas passam tanto pelos implantes de segmentos de anéis intra-estromais, como pelo fortalecimento das fibras de colágeno, através do “crossliking” e, pelo recurso aos transplantes lamelares da córnea.

Ao recorrermos às lentes esclerais já conseguimos obter excelentes resultados visuais em Ceratocones pré-cirúrgicos e, até em córneas muito irregulares após a implementação de anéis ou mesmo em pacientes que realizaram previamente  transplantes da córnea.

Independente do grau de evolução do Ceratocone, estamos munidos de todas soluções para oferecer aos pacientes na nossa clínica Clinsborges.

Sendo esta uma doença assintomática no início o diagnóstico precoce é determinante para a eficácia do tratamento.

Se já está à procura de um especialista em ceratocone saiba que podemos ajudá-lo a assegurar a sua saúde visual!

Ainda vai a tempo de evitar que o Ceratocone interfira numa vida saudável, produtiva e numa visão com futuro.

Marque já a sua consulta de oftalmologia na Clinsborges, através dos contactos disponibilizados.